Manter uma loja virtual não é uma tarefa simples. Preocupados com resultados das vendas e competitividade de mercado, vários gerentes de e-commerce acabam ignorando uma parte vital da equação: o quanto o seu site está seguro. Ameaças internas e externas ao seu negócio são uma constante no mundo digital. Para te ajudar a reconhecer os riscos, apresentamos agora um panorama amplo sobre quais são e como se defender desses perigos que rondam a segurança para e-commerce.

Confira!

#As principais ameaças para ficar de olho

A importância de se familiarizar com os vários tipos de ameaça à sua loja virtual está na diversidade de natureza, origem e dano potencial ao negócio. Para fazer um e-commerce crescer sem sustos, o gerente responsável tem que se prevenir e criar ações de contingência para cenários bastante diferentes:

#Ataques DDoS

A sigla em inglês para Negação de Serviço Distribuída é a ameaça mais comum a sites de qualquer natureza, inclusive os e-commerces. Nesse modelo de ataque, o criminoso virtual usa vários computadores zumbis espalhados pelo mundo para acessar o site ao mesmo tempo e sobrecarregar a conexão.

Quando isso acontece, a loja virtual sai do ar imediatamente. Quanto menos preparada a empresa estiver para lidar com o ataque, mais tempo demora para recuperar a conexão e mais vendas são perdidas.

#Vírus

Os vírus também são bastante comuns e geralmente não atacam a loja virtual diretamente, mas o sistema que a mantém.

A atualização constante de programas e o uso de softwares e plataformas seguras ainda são a melhor forma de se proteger. Como no DDoS, a capacidade de reação à crise é uma caraterística essencial dentro da empresa.

#Fraude de dados

Um pouco mais rara, a fraude de dados é geralmente um ataque isolado que causa prejuízo direto ao e-commerce. Nessa modalidade, o criminoso virtual usa credenciais falsas, como número de cartão de crédito, para enganar o sistema e realizar uma compra sem pagar.

#Roubo e vazamento de dados

O roubo de dados é a principal ameaça ao e-commerce como um todo, pois a gravidade de um ataque pode determinar até o fim do negócio. Existe uma relação de confiança entre empresa e cliente e cabe a você garantir que ela nunca seja quebrada.

Dados vazados de lojas virtuais são bastante sensíveis, como informações pessoais e de cartão de crédito, que podem ser usados para novas fraudes no futuro. A proteção do seu banco de dados deve ser a principal preocupação de um gerente de e-commerce.

#Os impactos dessas ameaças no e-commerce

Ao conhecer os perigos que rondam uma loja virtual, fica claro que a segurança deve ser encarada como prioridade junto à usabilidade e à eficiência do sistema. Os impactos que esses ataques causam podem variar de alguns minutos fora do ar até a quebra definitiva da confiança do consumidor.

Sendo o e-commerce hoje visto como uma extensão do varejo tradicional, as consequências vão muito além da internet. Os problemas online mancham a imagem da empresa offline, criando uma desconfiança natural sobre a integridade do serviço prestado ou do produto vendido.

Para garantir que esse tipo de impacto negativo não afete o seu negócio, é preciso criar sempre medidas de segurança que tratem a loja virtual com o mesmo cuidado que toda a operação da sua empresa.

#As principais defesas para garantir a segurança para e-commerce

Existem formas eficientes de garantir a segurança da sua loja virtual. Veja as principais soluções para proteger seu e-commerce:

#Plataformas confiáveis

O primeiro passo para garantir a sua tranquilidade é investir em softwares, programas e plataformas que tragam eficiência e segurança na operação da sua loja virtual. Muitas empresas buscam no outsourcing de tecnologia a solução para um e-commerce mais seguro. Além de ganhar um sistema robusto sem ter que despender tempo e dinheiro com planejamento e implementação, a solução alivia a equipe de TI para se preocupar com crescimento estratégico e a segurança de dados.

#TLS/SSL

Quando a empresa armazena e lida com dados confidenciais de clientes, é imprescindível a criptografia dessas informações. TLS e seu predecessor, o SSL, são protocolos de criptografia para segurança da comunicação sobre redes de computadores.

Eles são o S do HTTPS. Essa tecnologia não evita que criminosos interceptem a conexão entre consumidor e loja, mas torna impossível a leitura desses dados, que só podem ser desembaralhados dentro do seu servidor com posse da chave privada gerada pelo sistema.

#Firewall

O principal escudo contra vírus e invasões é o firewall. Esse software, geralmente usado em conjunto com antivírus e plataformas, cria uma barreira que impede a passagem de conexões não autorizadas da rede externa para a interna. O acesso a uma rede de computadores se dá através de portas. O firewall tem por finalidade garantir que apenas as portas apropriadas da sua loja estejam abertas para o mundo.

Ter um bom firewall, com regras revisadas regularmente, é suficiente para impedir a grande maioria de ameaças externas, dando mais tranquilidade para lidar com rotinas operacionais, análise e melhoria de todo o sistema.

#Proteção Anti-DDoS

Dadas as características de um ataque DDoS, o primeiro passo para se proteger é identificar os padrões do tráfego do sua loja em condições normais. A partir daí, se tem uma base de referência para perceber comportamentos que fujam desse padrão e sejam potencialmente maliciosos, disparando alertas e contramedidas automáticas. Essa detecção é feita passando o tráfego através de filtros dedicados a esse tipo de análise, em uma rede de alta capacidade.

Outra medida utilizada, em conjunto com a análise do tráfego, é a distribuição dos pontos de conexão através de diferentes redes e regiões. Desta forma, dificulta-se a concentração do ataque em um único alvo.

#PCI Compliance

Todas essas atitudes são importantes para manter seu e-commerce seguro, mas elas não adiantam muito sem uma metodologia objetiva para implementar e qualificar soluções.

Não é preciso quebrar a cabeça por conta própria, pois esse tipo de metodologia já existe! Um dos padrões de segurança mais reconhecidos é o definido pelo PCI, sigla em inglês para Indústria de Cartões de Pagamento. Tornar sua loja virtual PCI Compliant significa adotar padrões definidos por um conselho global para garantir a segurança em transações digitais envolvendo cartões de crédito.

Além de adotar essas soluções, como firewall, proteção anti-DDoS e TLS/SSL, é preciso elaborar um plano de análise para determinar a eficiência dessas ferramentas e propor melhorias constantes para estar sempre à frente das ameaças.

Assim como na hora de planejar estratégias de negócio e crescimento em vendas, a segurança para e-commerce também deve se tornar um ciclo de criação de metas, análise de resultados e iteração.

Deixar ameaças tão sérias como essas de lado ao criar e manter sua loja virtual pode dar um gás extra no começo, mas pode também significar muito prejuízo ou até a inviabilidade do negócio no futuro. Segurança nunca pode ser tratada como algo secundário.

Agora que você está mais familiarizado com o panorama de segurança para e-commerce, que tal começar a combater os criminosos virtuais? A melhor forma de fazer isso é com informação.

Então, compartilhe esse artigo nas suas redes sociais e comece a discussão! Quanto mais pessoas envolvidas na busca por uma internet mais segura, mais tempo você terá para se preocupar em apenas aumentar as vendas na sua loja virtual.